• André Botinha

Quando é hora de viajar!!


Hoje vamos falar um pouco sobre dicas de viagem...

Quais os tópicos são importantes de se planejar antes de botar o pé na estrada?

Confira aqui algumas dicas!

#1. Alimentação

#Alimentos e água

É prudente ter cuidado com alimentos e água em áreas onde o saneamento e higiene pessoal sejam deficientes ou duvidosos.

Infecções transmissíveis por alimentos e água contaminados incluem diarréia do viajante (causada sobretudo por bactérias, mas também por vírus ou parasitas) e hepatites A e E. A transmissão de infecções parasitárias (verminoses) também pode acontecer.

Em tais circunstâncias, os viajantes devem evitar o consumo de água da torneira -diretamente ou indiretamente: por exemplo, evitar gelo feito com água da torneira e alimentos crus lavados com ela.

Produtos lácteos não pasteurizados e carnes mal cozidas devem ser evitados.

#Limite o transporte de líquidos

Apesar destas restrições serem conhecidas, muita gente ainda fica confusa se pode ou não passar pela segurança do aeroporto com uma simples garrafinha de água.

Para evitar constrangimentos, a recomendação é de que todos os líquidos carregados na bagagem de mão não ultrapassem 100 ml por item e sejam acondicionados em uma sacola pequena e transparente.

Se estiver carregando algo maior, guarde na mala que será despachada.

Diversos aeroportos permitem que leite materno e comida de bebê sejam transportados em vasilhas com mais de 100ml.

Os frascos são normalmente abertos para passar pela segurança, mas isso leva apenas alguns segundos e não contamina a comida. Portanto, vale a pena checar como é o procedimento no aeroporto pelo qual você vai viajar.

Segundo a ANAC, é permitido levar a bordo a alimentação de bebês e crianças, em quantidade suficiente para o período do vôo.

Atenção! O país de destino pode impedir a entrada dos alimentos, de acordo com as regras dos departamentos locais de vigilância sanitária.

Uma outra orientação importante! Bem lavadas com água corrente e sabão, mamadeiras e chupetas estarão suficientemente limpas, ainda que não seja possível esterilizá-las. Pode deixar o esterilizador em casa, portanto.

Álcool gel também pode ter várias utilidades durante a viagem.

#2. Saúde

A avaliação de saúde antes da viagem deve incluir medidas sobre os riscos para infecções evitáveis ​​através de vacinação e medidas de prevenção contra doenças, como a diarréia do viajante, por exemplo.

A consulta médica deve ser realizada, idealmente, pelo menos um mês antes da viagem para dar tempo para avaliação completa e para a orientação e aplicação de vacinas, se forem necessárias.

#Infecções

As infecções associadas a viagem podem ser adquiridas pela alimentação, vias respiratórias ou transmitidas por insetos, como Zika e Dengue.

Dentre elas, as mais comuns entre os viajantes incluem gastroenterites (que, geralmente, estão associados com diarréia e vômitos), doenças respiratórias (como o resfriado comum) e doenças de pele.

#Infecções respiratórias

Infecções respiratórias como a gripe e outros vírus respiratórios são comuns em viajantes.

A importância de uma boa higiene das mãos deve ser enfatizada e vacinas adequadas devem ser tomadas com pelo menos 15 dias de antecedência da viagem.

Já destacamos aqui medidas para se proteger do resfriado comum! O Artigo na íntegra pode ser lido em: Socorro! Meu filho adoece muito!!

#Natação e praias

Deve-se evitar nadar em água doce em áreas onde a esquistossomose é prevalente. Até mesmo curtas exposições a água infestada são suficientes para a transmissão.

Os viajantes também devem ser alertados sobre os riscos de andar descalço nas praias, em solo ou na água, que podem estar contaminados com fezes humanas ou caninas.

Tal exposição pode levar ao contato com ancilostomíase ou larvas de Strongyloides, dois parasitas intestinais.

A penetração das larvas também pode causar larva migrans cutânea (também conhecida como bicho geográfico).

Outra preocupação em crianças são os cuidados contra afogamentos, que podem ser vistos no site Criança Segura

#Medicamentos

Alguns medicamentos podem ser úteis durante a viagem.

Mas, não precisa exagerar e montar uma farmácia como se estivesse indo para selva. Uma pequena necessaire costuma ser suficiente e é sempre importante que o uso de medicamentos seja orientado por um médico.

As medicações de uso diário devem ser levadas em quantidade suficiente para toda a viagem. Medicamentos equivalentes podem não estar disponíveis no país de destino.

Esses medicamentos não devem ser levados em bagagens que possam se extraviar ou se perder.

#Cuidados com animais:

Deve-se ter cuidado com animais que se aproximem das crianças, pois, com a intenção de brincar, podem acontecer mordidas e arranhões.

#Vacinação e profilaxia

Imunizações para os viajantes podem ser divididas em três categorias: preventivas, obrigatórias para a viagem e recomendadas com base no risco de exposição a determinadas doenças.

A Anvisa apresenta recomendações específicas de saúde a depender do país de destino.

Descubra aqui se há alguma recomendação especial de saúde a ser tomada antes da sua viagem. Basta selecionar o país de destino neste link.

Confira aqui as últimas mudanças do calendário brasileiro em

O que mudou no calendário de vacinação do seu filho!

#Protegendo-se do sol

Os viajantes também devem usar óculos de sol e protetores solares com proteção adequada.

Inclua chapéu e protetor solar específico para crianças na mala.

Aqui, um cuidado adicional deve ser tomado: não é recomendada a utilização de óculos escuros cuja qualidade das lentes seja duvidosa!

As lentes sem proteção adequada contra a radiação solar são um grande risco para lesões oculares.

Entenda aqui os riscos de utilizar os ditos óculos piratas.

Picadas de insetos

Viajantes para áreas com malária, dengue, chikungunya, e outras doenças transmitidas por mosquitos devem receber instruções sobre métodos para evitar as picadas. Veja mais aqui no nosso artigo Como se proteger do mosquito da dengue e zika: Guia de A a Z.

Estas medidas também são geralmente eficazes para reduzir os riscos de picadas de carrapatos e outros insetos.

#3. Documentação

Em viagens nacionais apenas é necessário apresentar a identidade e certidão de nascimento da criança.

Em viagens internacionais é necessário retirar o passaporte (exceto em viagens para os países da América do Sul) e visto de viagem (para os países que exigem).

O tempo e processo da retirada desses documentos funciona da mesma forma tanto para crianças como adultos.

#4. Seguro Viagem

Em viagens internacionais é importante se prevenir, por isso considere contratar um seguro viagem, especialmente para as crianças.

Assim, caso elas fiquem doentes ou ocorra algum acidente durante a viagem estarão mais bem amparadas.

#5. Transporte

#Viagem por terra:

Os acidentes de trânsito, em especial acidentes automobilísticos, respondem por cerca de um quarto dos acidentes fatais em viagens ao exterior.

Os viajantes devem ser alertados para diminuir os riscos: evitar dirigir à noite, usar os cintos de segurança em todos os assentos do veículo e também em ônibus de viagem.

Pesquisas mostram que menos de 30% dos brasileiros utilizam o cinto de segurança no banco de trás do veículo e que esse percentual é ainda menor em ônibus interestaduais e intermunicipais.

E para terminar, claro, se beber bebida alcoólica, não dirigir em nenhuma hipótese.

Lembre-se de que crianças têm que usar a cadeirinha do carro no banco de trás do veículo.

Antes de sair, confirme se seu filho está bem colocado na poltrona e se o cinto que a prende não está frouxo.

Veja aqui cuidados de segurança obrigatórios para o transporte de crianças em veículos! Passeando com segurança: como transportar o meu filho no carro?

#Viagem de avião:

Tente planejar seus vôos em torno da hora de dormir do seu filho. Vôos noturnos podem ser mais caros, mas se você procura mais conforto e tranqüilidade, uma criança que dorme durante o vôo pode ser um alívio para todos.

Se precisar fazer uma conexão, deixe bastante tempo entre os vôos – ninguém merece sair correndo com crianças e bolsas por um aeroporto desconhecido.

Outro cuidado é sobre o tempo de viagem. Se possível, escolha roteiros em que as crianças não precisem ficar muito tempo paradas dentro de carros ou aviões, pois isso pode gerar inquietação, além de brigas entre os pequenos.

E aquela dor de ouvido que pode acontecer no avião?!

Nas crianças com infecções respiratórias e nariz entupido, pressões de ar diferentes sobre o tímpano podem se desenvolver na decolagem e no pouso e prejudicar a audição ou causar dor no ouvido.

Entenda nesse vídeo o que acontece no ouvido provocando a dor:

Mamar na mamadeira ou ao seio é o equivalente a mascar chicletes no adulto. O fato da criança chorar, por si só, pode desobstruir a tuba auditiva e fazer a dor melhorar.

A higiene nasal também pode auxiliar como prevenção do incomodo na decolagem e pouso.

Para crianças com função cardíaca ou pulmonar comprometida ou outros problemas de saúde (por exemplo, com anemia falciforme), oxigênio suplementar pode ser necessário.

Aqui neste link podem ser vistas algumas recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria sobre segurança em viagens.

#Passeios

A criança aprendeu a andar, tem mais autonomia, brinca bastante, se cansa e já não é tão leve para ser carregada todo o tempo no colo: por isso, o carrinho de bebê ganha importância nos passeios e para acomodar as sonecas.

Se o destino das férias fica nos Estados Unidos, uma opção é deixar para comprar por lá.

#6. Passatempos

O primeiro cuidado é com o roteiro que você escolhe para viajar!

Você deve escolher um local que tenha passatempo para elas, não tenha tanta muvuca para você ficar de olho mais facilmente ou escolher um local que tenha ambiente próprio com pessoas especializadas para cuidar delas enquanto você também se diverte.

Para ser bom, um roteiro para crianças precisa também de pontos turísticos atraentes, bons parques, destinos que não envolvam caminhadas longas ou que não sejam exclusivamente de passeios noturnos.

Durante a viagem, a criança pode sentir falta de casa, do ambiente conhecido – leve um bichinho ou brinquedo querido. Procure levar alguns brinquedos, bichos de pelúcia, paninhos ou quaisquer objetos familiares de casa para auxiliá-lo a se aclimatar.

Livrinhos ou a música que a criança costuma ouvir na hora de dormir também servem como aliados na ambientação a um novo lugar.

#7. Segurança

Finalmente, estamos em nosso destino! Ao chegar, faça uma inspeção no quarto:

Em hotéis, verifique se o frigobar é baixo demais e ele conseguirá tirar alguma coisa de dentro.

Cheque se a porta para a varanda é fácil de abrir. Cuidado com as tomadas!

Veja aqui cuidados importantes para um ambiente seguro! (do site criança segura)

Também é bom orientar as crianças maiores sobre os endereços e contatos para o caso de algo acontecer.

No caso de bebês e crianças pequenas, uma boa opção é colocar uma identificação com nome, endereço e contatos para que sejam facilmente encontradas.

#8. Adaptadores

Não esqueça os adaptadores!

Fique atento aos tipos de tomadas que são utilizadas no país que irá visitar.

Antes de embarcar, faça uma pesquisa e compre os adaptadores corretos.

Lembre-se, a tomada de três pinos é exclusiva do Brasil.

Fontes:

1. Travel advice. Karin Leder, MBBS, FRACP, PhD, MPH, UpToDate, Jul, 2016.

2. IG - Dicas de saúde para viajar com crianças

3. Viajantes de primeira viagem - Viagens com crianças - cuidados que se devem ter

4. Dicas ANAC - Documentos para Embarque

5. eDestinos - O que é proibido e permitido ser levado na mala numa viagem de avião?

6. Aeroporto Internacional de Guarulhos - Bagagem


105 visualizações

Telefones de contato:

       Mirim Consultório Pediátrico

(031) 2510-2011

(031) 97111-1767

  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon