• André Botinha

Por que o meu filho faz birra?


"Normalmente, diante da atitude hostil [...], repreendem-na, ponderam com ela, tentam provar-lhe, doce ou rudemente, que seu comportamento é egoísta, feio e desagrada ao adulto.

Que tremendo erro!”

Françoise Dolto

#1. O que é a birra infantil?

A birra significa simplesmente que você tem uma criança frustrada à sua frente.

As destrezas e habilidades da criança nem sempre acompanham o ritmo de sua curiosidade. E elas se frustram quando não lhes é permitido mexer na tomada ou por não poderem escalar a mesa da sala.

A criança pequena é naturalmente curiosa. Assume uma posição ativa de exploração e descoberta. E ela não aceitará um “não” (que interrompe sua atividade e a recoloca em uma posição passiva) sem oferecer resistência.

#2. “Não” é não

A meu ver, só existem dois motivos para se dizer “não” a uma criança:

  • Nossa interpretação de que ela está fazendo algo que é perigoso para ela mesma ou para os outros e que algum dano possa advir da situação

ou

  • A atitude da criança está desrespeitando o direito das outras pessoas (incluindo o nosso) e não é socialmente aceitável. Como dito no poema, a liberdade de cada um acaba onde começa a liberdade de outrem.

Não vejo outro motivo pelo qual deveríamos impor proibições e importunar a vida da criança.

Não há dúvidas de que os pais devem ser firmes e trabalhar com algumas regras no dia a dia. Mas isso não significa incorrer no autoritarismo. O "não pode" deve ser usado para o que realmente é importante.

E justamente por seus bons efeitos, a palavra não deve ser desperdiçada em situações completamente desnecessárias. Quando usado sem moderação, o "não" perde força e convida à desobediência. Por exemplo, se a criança começa a desarrumar a sala logo após uma arrumação, os pais não precisam necessariamente proibi-la, mas podem deixar claro que ela terá que ajudar a arrumar tudo depois.

Algumas coisas podem e devem ser negociadas com a criança.

Afinal, será que 10 minutinhos a mais no parquinho é um grande transtorno?

Essa flexibilidade pode ser benéfica.

Para manter as regras, é fundamental também facilitar para que elas sejam cumpridas: se você quer que o se filho se comporte em um lugar público, não vai deixá-lo horas sentado em um restaurante cheio de adultos ou esperar que ele fique calminho em uma longa fila de banco.

Não se deve cobrar mais do que a criança pode oferecer.

Criança precisa de rotina, gosta de saber o que vai acontecer, o que pode e não pode fazer. Dá segurança e é transmissão de afeto.

Não ter essa referência de limites é como confundir a criança quanto aos valores da família: consegue imaginar como seria caótico um lar em que o certo e o errado se misturam e não estão claros?

#3. A justiça não é deste mundo

As crianças podem se sentir o centro do universo. Por isso, ser contrariado por uma figura de amor, como mãe e pai, pode ser bastante difícil (e importante).

A birra é uma ótima ocasião para os pais trabalharem a aceitação do filho à frustração, orientando, explicando, enfim, ajudando para que ele supere essa fase.

Encoraje-o a encontrar sozinho os meio de acomodar-se ao inevitável, sem seu auxílio, do qual não necessita.

Se um filho se sente desfavorecido em algum ponto, não procure negar o fato.

A justiça não é deste mundo.

Se você tenta justificar-se junto aos seus filhos, protestando sua sadia sensação de justiça, isso apenas agravará a situação.

O que quer que você faça, eles nunca se sentirão tratados com a devida justiça. Simplesmente, porque a justiça para eles seria serem tratados de acordo com seus desejos e apetites e não segundo os mesmos pesos e medidas.

Portanto, admita sempre que você não é justa, que o mundo não é justo e que você é desse mundo.

Não banque a polícia e não administre a justiça.

Tampouco, diga-lhe que se ela não se comportar o médico lhe dará uma injeção (os pediatras não fazem isso).

Deixe-a fazer a birra, não fale muito, espere passar, proteja-a para que não se machuque e quando ela estiver mais calma, aí sim, converse.

Quando as figuras de referência se mantêm calmas, a segurança é reestabelecida e a criança pode driblar a frustração do momento e seguir em frente.

Deixo aqui um link do site Webfilhos bastante interessante sobre a birra infantil.

#4. “Sou do tamanho do que vejo. E não, do tamanho da minha altura”.

Dar nome ao que a criança está passando pode ajudá-la a se controlar. Assegurá-la de que ela está sendo, de alguma forma, compreendida, é importante.

Por isso, o adulto deve explicar que a compreende, mas que agora não é possível ter o que ela quer, pela razão que for.

Descobrir as razões infantis também é importante. Às vezes, a criança pode mudar de comportamento por uma razão não aparente inicialmente, como o nascimento de um irmão ou a volta da mãe ao trabalho.

Ao ser questionada, a criança vai explicar com mais ou menos recursos, dependendo da idade, e tudo vai ficando mais fácil.

A atitude que ajuda é ouvir a criança em sua angústia. Dizer que as frustrações são bem duras de aguentar e que você a compreende.

Tudo deve ser dito em linguagem que a criança entenda. Usar tom “de adulto” é cansativo, difícil e chato. E, claro, é importante conversar com a criança baixando até a altura dela.

#5. Limites: a moldura do quadro

A birra acontece porque as crianças ainda não têm maturidade suficiente para lidar com uma determinada frustração e acabam explodindo.

Na verdade, em algumas situações, as crianças estão testando o limite dos pais para descobrir até onde podem chegar.

Outras vezes, a birra é apenas um pedido de ajuda inconsciente para lidar com a frustração.

E quando adequadamente ajudada, a criança passa a suportar frustrações maiores.

Isso é de vital importância para o desenvolvimento de uma função: a satisfação imediata deve ser abandonada, de maneira que, adiando-a, pode-se conseguir posteriormente uma satisfação mais adequada.

A capacidade de adiar a satisfação, de tolerar uma demora na realização de um desejo, de desistir de um prazer imediato e talvez incerto em troca da certeza de um prazer posterior é um passo importante na humanização da criança.

#6. "O papel da frustração na aprendizagem e no desenvolvimento

A consequência é que privar a criança do desprazer é tão prejudicial quanto privá-la do prazer.

Prazer e desprazer tem um papel igualmente importante na formação do sistema psíquico e da personalidade. Coibir qualquer deles é transtornar o equilíbrio do desenvolvimento.

É por isso que criar os filhos de acordo com uma doutrina de permissividade indiscriminada leva a resultados deploráveis.

Nunca será demais destacar a importância da frustração para o desenvolvimento – afinal, é a própria natureza que a impõe.

Para começar, estamos sujeitos a imensa frustração de asfixia no nascimento, que força a substituição da circulação do feto pela respiração pulmonar.

As frustrações repetitivas e insistentes de sede e fome seguem-na. Elas forçam o bebê a tornar-se ativo, a procurar e incorporar comida (ao invés de receber passivamente comida do cordão umbilical), e a ativar e desenvolver a percepção.

O próximo passo principal é o desmame, que obriga à separação da mãe e a um crescente grau de autonomia. E assim, continua, passo a passo.

O que leva o educador moderno, o psicólogo infantil, o pai, a achar que podem evitar a frustração da criança?

A frustração está incorporada no desenvolvimento. É o mais potente catalisador da evolução de que dispõe a natureza. A natureza não está preocupada com a ética e aplica a pressão de frustração, de desprazer, implacavelmente.

Na criação moderna, a criança é comumente poupada das frustrações, que fazem o pai, o educador e o psicólogo se sentirem culpados. Na realidade, a preocupação deles não é tanto o bem-estar da criança, mas o desejo de evitar sentimentos de culpa, conscientes ou inconscientes.

O bem-estar da criança realmente requer frustração. Sem desprazer, sem esse grau de frustração que eu chamaria de adequado à idade, não é possível um desenvolvimento satisfatório da personalidade.

Na criança, no decorrer das relações normais mãe-filho, as situações em que o desprazer é imposto à criança e as frustrações resultantes são inúmeras e aumentam com a idade.

É como deve ser.

Não estou preconizando o castigo físico para a criança, quando falo de frustração. Estou me referindo às frustrações que ocorrem naturalmente durante a criação de uma criança e que podem ser evitadas apenas por permissividade irrazoável.

Em contato com essas frustrações que se repetem, a criança atinge, no decorrer dos primeiros anos, um grau crescente de independência e torna-se cada vez mais ativa em suas relações com o mundo exterior, animado ou inanimado."

René A. Spitz, O Primeiro Ano de Vida. 1965.

Fontes:

1. Françoise Dolto. As etapas decisivas da infância. Martins Fontes, 2011

2. René A. Spitz. O primeiro Ano de Vida. Martins Fontes.

3. Cecília Meireles - Liberdade. Escolha seu sonho. Editora Record, 2002.

4. Fernando Pessoa - Eu Sou do Tamanho do que Vejo. O Guardador de Rebanhos - Poema VII.

5. Delas - Educação dos filhos. 12 dicas praticas para lidar com a birra.

6. Crescer - Birra de criança: tudo que você precisa saber sobre ela.

7. Educar para crescer - Como lidar com a birra?

8. Parenting: Temper Tantrums


131 visualizações

Telefones de contato:

       Mirim Consultório Pediátrico

(031) 2510-2011

(031) 97111-1767

  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon